O Que São Lentes de Contato: História e Definição

O Que São Lentes de Contato: História e Definição

0 2593
lentes de contato

Todos nós conhecemos o termo “lentes de contato”, mas será que você conhece realmente a definição formal das lentes de contato? Se você está a pensar colocar lentes, ou se você simplesmente tem curiosidade sobre este utensilio ótico, então você está na página certa.

Lentes de contato podem ser diversos tipos de lentes, dependendo de sua utilização e dos motivos que levam as pessoas a optarem por seu uso. De uma forma geral, podemos afirmar que as lentes de contato podem ser oftálmicas corretivas, cosméticas, terapêuticas ou simultaneamente corretivas e cosméticas.

A lente de contato é colocada em cima da córnea do olho, possibilitando não só uma maior liberdade do que aquela permitida com óculos, mas serviço também como acessório estético.

As lentes de contato, como as conhecemos hoje são uma invenção de um químico tcheco de nome Otto Wichterle.

 

A Histórica das Lentes de Contato – Primeiros Passos

 

A lente de contato atual é o resultado de mais de cinco séculos de evolução, pesquisa e desenvolvimento. Como vamos ver neste capítulo, alguns dos maiores génios da humanidade estiveram de alguma forma relacionados com o desenvolvimento destes produtos.

Os primeiros passos rumo ao desenvolvimento das lentes de contato foram dados, nem mais nem menos, por Leonardo Da Vinci, entre os séculos XV e XVI. Portador de uma inteligência notável e de imaginação prodigiosa, Da Vinci foi pioneiro em diversas áreas.

Poucas pessoas conhecem este fato, mas a verdade é que as observações do mestre italiano também tiveram um grande peso na indústria ótica. Da Vinci estou aspetos como o movimento das pupilas, a visão binocular e a ótica oftálmica.

Para muitos investigadores, Da Vinci é o verdadeiro “pai” das lentes de contato. Contudo, é importante frisar que outras correntes de pensamento defendem que o conceito de lente de contato que hoje conhecemos surgiu bastante mais tarde.

Alguns anos após as observações pertinentes de Leonardo Da Vinci, outra grande figura da história da humanidade deu seu contributo para o desenvolvimento das lentes. Estamos a falar de René Descartes.

Descartes publicou a obra “A Dlotrik”, na qual referiu que usando um tubo transparente repleto de água, seria possível alterar a visão humano, sobrepondo o referido tubo sobre o olho, por meio de uma lente córnea ou esclera.

Após os primeiros passos dados pelas observações de Da Vinci e de Descartes foram necessários quase 200 anos, até que surgisse um novo avanço.

Avanços Mais Significativos No Desenvolvimento da Lente de Contato

 

John Frederick W. Herschel, conduziu as primeiras experiências de correção de ametropias em 1845, usando o que chamou de “Óptica de Contato”. Estas óticas consistiam em um tubo de água com 5 mm de diâmetro, colocado sobre uma lente.

No final do século XIX, mais precisamente em 1887, o alemão F.C. Muller começou a produzir próteses oculares e a desenvolver os primeiros trabalhos centrados na utilização de lentes adaptadas colocadas diretamente no globo ocular.

O objetivo do trabalho de Muller não era retificar qualquer problema ocular, mas sim ajudar pessoas com problemas nas pálpebras a protegerem seus globos oculares.

O primeiro registo do uso de lentes de contato para fins de correção ocular data de 1888, quando Eugene Fick usou lentes para retificar problemas e astigmatismos irregulares.

No ano seguinte, Berlines Himmler e Augusto Miller usaram lentes de contato para corrigir miopia.

Em 1892 teve início o fabrico comercial de lentes esclerais lapiadas, pela empresa Carlzeiss de Jena. Estas lentas eram fabricadas em vidro, sob a direção de D.E. Sulzer. No mesmo ano, Sulzer informou ao mundo que obteve êxito na colocação de lentes em pacientes com ceratocone, astigmatismo e miopia.

Chegámos depois ao século XX, um período que revolucionaria por completo a indústria óptica. O Dr. Dailos resolveu tentar adaptar lentes esclerais, usando para isso moldes do olho, isso em 1929. Ao mesmo tempo a Zeiss estava a preparar as primeiras lentes de vidro soprado para testes.

As Lentes de Contato Como As Conhecemos Hoje

 

Na década de 30, uma descoberta importante veio facilitar a adaptação das lentes rígidas, a fluoresceína. Foi em 1938, que alguém usou pela primeira vez a fluoresceína em lentes de contato.

Também em 1938, William Fleinboom indica a possibilidade de usar lentes esféricas e alguns anos depois publica uma série de artigos sobre a possível utilização desse tipo de lente de contato.

A partir desse momento, todo o processo de concepção e fabrico ganha um novo impulso. Em 1935, uma empresa de Nova Iorque, a Obrig apresentou pela primeira vez lentes completamente fabricadas em plástico. Cinco anos mais tarde, o produto já estava sendo comercializado em ópticos profissionais.

Juan Sais e Klaus Pfortnet, iniciam o fabrico de um tipo especifico de lentes escleros-corneais em 1942, na Argentina.

Outro passo decisivo para tornar as lentes de contato mais comercializáveis ocorreu em Londres, em 1943, quando Norman Bier desenvolveu pela primeira vez um sistema de ventilação, usando fenestrações na área escleral.

O fabrico de lentes em plástico favoreceu bastante a venda de lentes de contato, pois tornou o produto mais confortável e seguro para o uso do público.

Os anos seguintes mostraram uma redução progressiva do diâmetros das lentes corneais. Kevin Tucky apresentou lentes com 11 mm de diâmetro em 1945. Pouco tempo depois, Wolk Kiel conseguiu produzir lentes corneais com diâmetro entre 8 e 9 mm.

Mais tarde, uma parceria internacional liderada por Sonnges, Neill e Dickinson (respetivamente, Alemanha, E.U.A e Inglaterra) conseguiu apresentar uma microlente que era mais leve, mais fina e tinha menor diâmetro, o que ajudou a tornar a ideia ainda mais interessante do ponto de vista comercial.

Contudo, as lentes de contato como as conhecemos hoje surgiram verdadeiramente a partir do trabalho do tcheco Otto Wichterle, que se focou nas lentes hidrofílicas.

Este tipo de lentes eram feitas de copolímeros de hidroxietilmetacrilato, material que permitiam que lentes fosse mais elásticas e confortáveis, exibindo também um excelente nível de hidratação.

Na década de 70, a Bausch & Lomb (ainda hoje um dos grandes players do mercado) introduziu as lentes Soflens hidrofílicas, que eram produzidas pelo processo de centrifugação.

Algo que podemos notar ao olhar para a história das lentes de contato é a grande vitalidade e capacidade de inovação da indústria, que conseguiu sempre desenvolver novos produtos, sempre com o objetivo de melhorar o produto final e favorecer o consumidor.

Felizmente, ainda hoje as lentes de contato continuam a evoluir e todos os anos assistimos à chegada de novas inovações.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um comentário